Dê onde vem as preocupações?


Texto de ROBERT L. LEAHY

AUTOR DO LIVRO: Como lidar com as preocupações. Por muitos anos, os preocupados crônicos tiveram de sofrer sem qualquer esperança significativa de melhora. Ocasionalmente procuravam a ajuda de ansiolíticos ou antidepressivos, capazes de auxiliar na redução de alguns desconfortos. Formas tradicionais de psicoterapia poderiam ser úteis em cerca de 20% dos casos, mas os outros 80% não apresentariam melhora, felizmente, no entanto, hoje temos várias boas notícias para as pessoas cronicamente preocupadas.

Nos últimos 10 anos, houve avanços significativos em novas abordagens que vão muito além daquilo que os terapeutas cognitivos costumavam fazer. Por exemplo, Hoje sabemos que:

1. As pessoas, na verdade, ficam menos ansiosas quando se preocupam.

2. A intolerância à incerteza é o elemento mais importante na preocupação.

3. Os preocupados temem as emoções e não processam o significado dos acontecimentos, pois eles têm “muita coisa na cabeça”.

4. A preocupação não é simplesmente pessimismo; é o reflexo de muitas partes diferentes de quem você é. Uma vez que compreenda porque se preocupa e porque sua preocupação faz sentido para você, é possível explorar algumas coisas que pode fazer - ou não fazer - para se ajudar.

  1. Hoje temos uma compreensão muito maior sobre como a preocupação funciona.

  2. Podemos usar essa nova compreensão para reverter essas preocupações perturbadoras.

Três quartos das pessoas com problema podem receber ajuda significativa com formas mais recentes de terapia. Com base em novas pesquisas, desenvolvi um programa de sete passos para ajudá-lo a compreender sua própria “teoria” da preocupação, o funcionamento da mente, o modo como sua personalidade afeta a preocupação e as técnicas mais eficazes para vencê-la e romper com aquelas regras de uma vez por todas: 1. Identificar as preocupações produtivas e improdutivas. 2. Aceitar a realidade e comprometer-se com a mudança. 3. Contestar a preocupação. 4. Focalizar a ameaça mais profunda. 5. Transformar “fracasso” em oportunidade. 6. Usar as emoções em vez de se preocupar com elas. 7. Assumir o controle do tempo. Vamos examinar brevemente cada passo. 1. Identifique as preocupações produtivas e improdutivas. A maioria dos preocupados pensa de duas maneiras: “Minha preocupação está me deixando louco” e “preciso me preocupar para estar preparado”. Assim, você pode ficar preocupado com relação a abandonar sua preocupação, pois pensa que ela o prepara e o protege. Verá que tem sentimentos confusos em relação a abandonar a preocupação, razão pela qual você persiste mesmo quando ela o torna infeliz. Sua preocupação é uma estratégia que você pensa que o ajuda. Enquanto não desistir dessa crença, continuará se preocupando. Você aprenderá a obter a motivação necessária para frear e desafiar as preocupações, em vez de considerá-las como sinal do quão responsável e consciencioso você é. Sem motivação para modificar a preocupação, todo o aconselhamento do mundo será inútil.

Você aprenderá como usar a preocupação produtiva ao identificar problemas que possa abordar imediatamente, como, por exemplo, obter um mapa rodoviário para sua viagem de Nova York a Boston. A preocupação improdutiva envolve muito "e se..." imaginários, tais como "E se eu chegar lá e ninguém quiser falar comigo". Após estabelecer essa distinção, você vai aprender a usar estratégias eficazes para a resolução de problemas reais.

2. Aceite a realidade e comprometa-se com a mudança. Você não quer aceitar determinados fatos ou possibilidades dos quais possa não gostar. Sua preocupação é como um protesto contra a realidade. A aceitação de algo não significa que você goste ou o considere justo. A aceitação não significa que não possa fazer nada para modificar certas coisas. Mas, antes que possa modificar algo, terá de aprender a aceitar que problemas reais existem. Você vai aprender também a aceitar limitações. Suas preocupações são sempre relativas a algo que você deveria fazer - deveria ganhar mais, assegurar-se de não ficar doente, ajudar alguém que não lhe pediu ajuda. A preocupação o coloca no centro do universo. Nesta etapa, você aprenderá que pode se tornar mais um observador da realidade e menos uma força determinante do universo. 3. Conteste a preocupação. Você constantemente faz previsões do futuro (“Vou fracassar”), lê a mente das pessoas (“Ele pensa que sou um fracasso”) ou cultiva pensamentos negativos (“Seria horrível se não conseguisse o que quero”). Apresentarei 10 maneiras de vencer esses pensamentos irracionais e extremos para que sua vida possa ficar mais equilibrada. Nesta etapa, você vai aprender ainda a identificar o que desencadeia a preocupação, os temas comuns de sua preocupação e várias técnicas, tais como praticar a preocupação a fim de reduzir o nível de ansiedade. 4. Focalize a ameaça mais profunda. Você se preocupa com algumas coisas, mas não com outras. Por quê? Sua crença nuclear é a fonte da preocupação. Pode ser a preocupação quanto a ser imperfeito, ser abandonado, sentir-se desamparado, parecer tolo ou agir de modo irresponsável. Aqui você descobrirá como identificar e desafiar as crenças nucleares a seu respeito, as quais lhe provocam tanto estresse. Como lidar com as preocupações 15 5. Transforme “fracasso” em oportunidade. Suas preocupações são tentativas de estar preparado, prevenir e antecipar o fracasso. Para você o fracasso pode ser visto como uma eventualidade catastrófica - algo que pode acontecer a qualquer momento a menos que você mantenha a guarda e se preocupe. Vou sugerir 20 coisas para você dizer a si mesmo a fim de superar o medo do fracasso. Uma vez que saiba como lidar com o fracasso, com que teria de se preocupar? 6. Use as emoções em vez de se preocupar com elas. A preocupação é, na verdade, uma estratégia para evitar emoções desagradáveis. Você tem medo dos sentimentos, pois acha que deve ser racional, controlado, Nunca se zangar, sempre ter a certeza em relação ao que sente e estar acima de todas as coisas. Muito embora você reconheça que é uma pilha de nervos, o medo dos sentimentos o conduz a mais preocupações. Em vez de tentar eliminar as emoções, você vai aprender a vivenciá-las e usá-las a seu favor. 7. Assuma o controle do tempo. Você se sente controlado pela constante sensação de urgência, a necessidade de saber tudo imediatamente. Aqui você aprenderá a desligar a urgência e a melhorar o presente para que possa aproveitar mais a vida agora.

------------

Indico a leitura desse livro para todos. Tive aula com esse professor, autor do livro: como lidar com as preocupações.

Recomendo a todos.

Até a próxima! Psi Tatiana Auler

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo