Tá difícil abaixar a cabeça?

Você tem dificuldades de assumir que está errado ou que não sabe algo? Relaxa, tem muita gente igual a você por aí, e é por isso que existem tantos conflitos nos relacionamentos.


Vamos para o sentido literal da expressão “baixar a cabeça”. Qual a sensação que lhe vem quando você imagina que está baixando a cabeça para alguém? Provavelmente de subserviência, diminuição, ou humilhação, correto? Pois é, faz sentido. E sabia que isso tem relação com a história das civilizações?


Se você analisar um pouquinho nosso histórico da civilização, notará que os mais sábios, mais ricos e mais poderosos, que sempre foram respeitados e honrados, recebiam daqueles que de nada sabiam, pobres e desonrados, o cumprimento que impunha essa diferença, e que os diminuía. Esse cumprimento era justamente o “se curvar”, ou simplesmente, curvar o seu pescoço para baixo, criando então o ato de “abaixar a cabeça”.


Por conta desse histórico, é claro que não gostamos “abaixar a cabeça” quando temos que aceitar estarmos errados ou que não sabemos algo! E também penso que, umas pessoas lidam melhor com essa possibilidade do que outras.


Estamos mudando aos poucos essa maneira de enxergar o “poder” e a submissão. Nos novos tempos, já somos capazes de entender que não é necessário saber tudo de tudo para ser uma pessoa respeitada e considerada inteligente. Sabemos que não é só o diploma que nos traz sabedoria, que as senhorinhas do interior são mulheres sábias e o conhecimento delas não existe em universidade nenhuma.


Estamos buscando o equilíbrio através de duas palavrinhas: humildade e troca. Se tivermos a humildade de reconhecer que sempre temos algo a aprender com o outro, aí chegamos na troca. E é a partir da troca que conseguimos entender que sempre temos algo a contribuir com o outro, de forma individual e com o mundo todo ao mesmo tempo. Cada um com a sua experiência, cada um com o seu olhar, juntos podemos fazer a diferença nas vidas uns dos outros..


Uma dica preciosa é: Ensine ao outro tanto quanto você pode aprender com ele.


Tatiana Auler

Psicóloga

CRP 05/56969