Você se sente protegido por quem está ao seu lado?



Em meio a uma pandemia viral, há pessoas que não conseguem entender que o invisível pode ser perigoso. Entendo que estamos muito acostumados a ver para crer, e quem pensa dessa maneira acaba ignorando o que está acontecendo pelo simples fato de não conseguir evidenciar alguma coisa. Mas até quando?!


Quantas vezes você já ouviu falar de pessoas que desmereciam algo até que sofressem na própria pele? É comum que quem precisa ver para crer tenha que sentir a dor na própria pele para conseguir mensurar e evidenciar o "invisível". Mas fica a pergunta: ignorar os fatos é bom ou é ruim? Bom, não existe uma resposta exata para essa pergunta, mas existe uma possibilidade de avaliarmos um meio termo... Quando o sujeito ignora, ele acaba não tomando os cuidados necessários para se proteger e, por consequência, acaba não protegendo quem está ao seu redor. Portanto, o que irá mensurar o quanto o sujeito está sendo negligente ou não são os fatos, ou seja, a distância a que ele está da realidade.


Não acho que devamos seguir a maioria. Acredito que todos devamos ter o nosso crivo de avaliação, entretanto, a negação dos fatos pode ser uma ignorância (no sentido de ignorar) que coloca a pessoa em risco.


Pensemos em um adolescente... Seu cérebro ainda não está pronto para mensurar os riscos como faz o cérebro de um adulto, e é exatamente por esse motivo que muitos adolescentes se colocam em risco, prejudicando eles mesmos e seus amigos. Ainda que sejamos adultos e, teoricamente, nosso cérebro esteja preparado para avaliações relacionadas ao risco, muitas vezes o próprio medo pode fazer com que ignoremos que ele existe, evitando olhar para aquilo que nos amedronta.


Outra coisa que pode acontecer com quem ignora o invisível é a dificuldade de abrir mão de fazer as coisas do seu jeito para fazer de uma maneira diferente, com o propósito da autoproteção e da proteção ao próximo. Muitas vezes denominadas de egoístas, pessoas que não abrem mão da sua maneira de ser, de funcionar, que não flexibilizam em prol do outro, ignoram a decisão do mundo e ficam apenas com as próprias. É o famoso "Não quero saber o que está acontecendo. Vou fazer o que eu quiser".


Realmente é muito difícil encontrar argumentos convincentes para pessoas assim... pessoas presas na própria verdade, que acabam não abrindo mão de suas opiniões a favor de um bem maior. Mas o que fazer? Faça a sua parte. Se precisa se proteger, se proteja da maneira como achar necessário. A sua vida é muito mais importante do que a ignorância do outro de não querer enxergar a realidade.


Quero deixar claro que não escrevo esse texto evidenciando a política, e sim as pessoas ao redor de você ou até mesmo você, caso ainda não tenha acordado para o que estamos vivendo.


Não, não é para que ninguém se apavore, viva em pânico ou trancado em sua casa como um prisioneiro da pandemia. A ideia é que, dentro do que acha adequado fazer, você tome todos os cuidados necessários, ou seja, necessários (nada de tomar cuidados desnecessários...) para que você se proteja e proteja quem está ao seu redor.


Tatiana Auler

Psicóloga Comportamental

CRP 05/56969


1 visualização0 comentário